Queratocone é um problema em que a córnea fica saliente para fora como um cone. O nome provém do grego (keratokonus) que significa literalmente “córnea cone”.

Sintomas do queratocone

Não está bem claro porque é que o queratocone surge em determinados indivíduos, mas sabemos que provoca sintomas devido tanto à forma deformada da córnea como à cicatrização que ocorre nos pontos elevados da deformação.

Os sintomas do queratocone começam geralmente como uma visão desfocada normal que não é muito diferente do desfocado que ocorre nos erros refrativos comuns ou no astigmatismo.

O sintoma mais marcante do queratocone são contudo imagens fantasma dispersas em redor de um objeto. Isto pode aparecer também sob a forma de estrias ou distorções por dilatação e é frequentemente acompanhado por sensibilidade a luzes intensas e ocasional comichão.

O queratocone também causa geralmente uma má visão noturna. A visão distorcida ou desfocada é mais acentuada em condições de pouca luz, porque a pupila abre-se para captar mais luz e ao fazê-lo expõe mais da superfície irregular da córnea.

Tratamento do queratocone

Óculos e lentes de contacto moles normais podem ajudar nos casos mais ligeiros, corrigindo com sucesso problemas de acuidade visual. À medida que a doença avança, são geralmente adaptadas lentes rígidas permeáveis aos gases (RGP) para corrigir a acuidade visual, em parte por se moldarem menos à forma alterada da córnea. As lentes para o queratocone corrigem os problemas de visão mas não atrasam o avanço da doença.

À medida que a doença se agrava, lentes de contacto especiais e cirurgia tornam-se as opções de correção mais eficazes.

Cirurgia e transplantes da córnea

Os transplantes da córnea, também conhecidos como queratoplastia, são comuns, seguros e eficazes. Apesar de tudo os pacientes continuam, muitas vezes, a precisar de alguma correção visual normal.

Ao transplantar-se uma córnea, o cirurgião remove a córnea do paciente e implanta uma córnea de substituição de um dador. Uma vez que a córnea não tem o seu fornecimento de sangue direto, as córneas dos dadores não precisam de ter uma correspondência de tipo sanguíneo. Os resultados a nível de visão são geralmente excelentes, independentemente da gravidade da doença, da técnica cirúrgica e de outros fatores.

Os implantes anelares da córnea, ou Intacs, são uma alternativa cirúrgica recente aprovada pela FDA para os transplantes de córnea. Finos arcos são inseridos através de pequenas incisões no rebordo da córnea, criando um anel quase impercetível no olho. Estes empurram contra a curvatura da córnea de forma a alisar o pico do cone do queratocone, dando-lhe uma forma mais normal.

O crosslinking do colagénio corneano (CXL) é um tratamento em desenvolvimento estudado na Europa e a ser atualmente submetido a ensaios clínicos nos Estados Unidos. Os cross-links do colagénio são as âncoras naturais da córnea. O tratamento de crosslinking envolve saturar a córnea com gotas especiais para os olhos, depois ativar a solução com luz ultra-violeta de forma a aumentar a quantidade de ligações cruzadas de colagénio. Apesar de o crosslinking não curar o queratocone, os estudos são encorajadores quanto ao seu potencial de deter o avanço da doença.

Se está preocupado com a possibilidade de ter ou agravar o queratocone, fale com o seu oftalmologista. O seu oftalmologista é o seu aliado para avaliar a saúde da sua visão e as suas opções de tratamento e pode fazer um diagnóstico completo de queratocone. Os exames regulares aos olhos são também uma excelente forma do seu oftalmologista monitorizar os seus olhos e a sua visão para os manter saudáveis o máximo de tempo possível.

Nada do que consta neste artigo deverá ser interpretado como um conselho médico, nem se destina a substituir as recomendações de um profissional de saúde. Para perguntas específicas, consulte o seu profissional da visão.

Mais artigos

Pesquise sobre os nossos produtos